Segundo dia de formação (11 de Abril)

      O segundo encontro de nossa formação aconteceu nesta quarta-feira, 11 de abril. O tema foi “O Sistema Público de Comunicação no mundo e no Brasil”, mediado pelo jornalista Pedro Caribé, que faz parte do grupo Intervozes, assim como do CCDC (Centro de Comunicação, Democracia e Cidadania) da Ufba.
Foi interessante complementar os conhecimentos adquiridos na última aula. Tivemos oportunidade de ouvir um panorama geral sobre o funcionamento do sistema de comunicação pública no mundo, e percebemos como o do Brasil é falho. Enquanto outros países apresentam um sistema estruturalmente desenvolvido (acessível à grande parte do território e da população), descentralizado, com grande participação social na produção de conteúdo, o Brasil só veio começar a desenvolver um real sistema público a partir de 2007 com a criação da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação) e da TV Brasil. Já existiam iniciativas isoladas (como TVs independentes ou governamentais) que fogem ao monopólio comercial presente na mídia brasileira, mas não estão inseridas a um sistema público, o que dificulta a difusão dos seus conteúdos – apesar de grande parte deles já apresentarem um cunho social, considerando a diversidade cultural e regional, os direitos humanos e a democracia na comunicação. Com o surgimento da TV Brasil, fica mais fácil definir um critério de produção e uma divisão dos conteúdos produzidos.
     Na segunda parte do encontro, tivemos acesso aos sites de diversas instituições que se relacionam constantemente com a produção da TV e rádio públicas. Entre os mais diversos temas, as questões de gênero e racismo foram muito discutidas, além da influência da propaganda na conservação de valores estereotipados da sociedade, e novamente, a violação dos direitos humanos em diversos programas de grande alcance nacional. Neste ponto, vale a pena conferir estes sites:

No final da discussão, foram trazidas perspectivas de melhora, entre elas a universalização da banda larga e a chegada da TV digital que aumentaria significativamente a produção pública, vinculando quatro canais na TV. Um desejo de que haja mais espaço nas mídias para que a população participe da produção da comunicação foi compartilhado pelos membros e pelo mediador. Sem dúvidas, a melhoria do sistema público de comunicação no Brasil seria o melhor caminho.

                                          

Texto escrito por Lara Perl 
Novo membro da Agência Experimental

Um comentário

  1. Seguindo firme no debate acerca dos direitos humanos nos meios midiáticos, este segundo encontro foi fundamental para que todos os membros (os recém-chegados e até os veteranos)pudessem analisar uma outra perspectiva que agrega o nosso posicionamento perante aos conteúdos veiculados no nosso país.
    Enquanto no primeiro dia percebemos a importância da valorização e do respeito às várias vertentes da diversidade, agora percebemos também a magnitude que os nossos direitos também exercem na precisão de se comunicar. E este propósito de democratizar a informação é uma das diretrizes da AECC.
    Parabéns Lara pelo excelente texto e, mais uma vez, a Agência Experimental agradece à Pedro Caribé pela constante disponibilidade aos nossos projetos de formação.

    Muito obrigado.

    AECC – Agência Experimental em Comunicação e Cultura.

Comenta aí...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s